game mobile Lời nói đầu Game4M.Net - Game Mobile gửi đến các bạn lời cảm ơn trân trong nhất đến các bạn đã ghé thăm và ủng hộ chúng tôi ! Tại đây các bạn có thể tải tất cả các thể loại Game Mobile trên tất cả các dòng điện thoại ( Android - Java - IOS - Windows Phone ) Kho Game Mobile cực lớn tại Việt Nam Game4M.Net tai game Tai Game – Tải Game Hot nhất 2013 tại Game4m.Net . Kho Tai Game – Tải Game cho điện thoại miễn phí bao gồm nhiều thể loại Game Online , Game Offline , Game đánh bài , Game Nhập Vai , Game Đua Xe. Kho Game HD cực khủng với các thể loại game dành cho nhiều lứa tuổi với nhiều phiên bản đặc biệt sẽ được cập nhật liên tục tại đây . Hãy Tai Game – Tải Game về và trải nghiệm một cảm giác thú vị nhé các bạn . tai game mien phi Tai Game Mien Phi – Tải Game Miễn Phí cho tất cả các dòng máy trên điện thoại , máy tính bảng . Các bạn có thể Tai Game Mien Phi – Tải Game Miễn Phí cho nhiều dòng máy tại Game4m.Net với nhiều thể loại Game Nhập Vai , Game GRP , Game Trí Tuệ, Game Offline , Game Online cực hay dành cho mọi lứa tuổi Nhanh tay Tai Game Mien Phi – Tải Game Miễn Phí để nhận được những sự kiện khuyến mãi cực lớn. tai game game mien phi

Arquivos de autor: As Leituras do Corvo

As Leituras do Corvo :: Novidades Saída de Emergência para Fevereiro

image-9461
image-9461
As Leituras do Corvo

ocodexmaia.jpg
“Saudações do mundo dos mortos”, declara Maxwell Broadbent na cassete de vídeo que deixou para trás depois do seu misterioso desaparecimento. Notório caçador de tesouros e ladrão de túmulos, Broadbent acumulou muitos milhões de dólares em arte, jóias e artefactos antes de desaparecer — juntamente com toda a sua colecção — da sua imensa mansão.
No início, suspeitou-se de assalto, mas a verdade provou ser bastante mais estranha: como desafio final para os seus três filhos, Broadbent enterrou-se a si e ao seu tesouro algures no mundo, escondido como um faraó egípcio da Antiguidade. Se os filhos quiserem reivindicar a sua fabulosa herança, terão de encontrar o túmulo cuidadosamente ocultado pelo pai.
Os dados estão lançados, mas os três irmãos não são os únicos a competir pelo tesouro. Com tantos milhões de dólares em jogo, bem como um antigo codex maia que pode conter a cura para o cancro, em breve outras pessoas se juntam à caçada... e nada fará parar algumas delas para conseguirem o que está na sepultura.

highlanderod.jpg
O TOQUE TERNO DE UMA MULHER
Ele nascera num clã de guerreiros de força sobrenatural, mas Gavrael McIllioch abandonara o seu nome e o seu castelo nas Highlands, determinado a escapar ao sombrio destino dos seus antepassados. Ocultando a sua identidade do implacável clã rival que o perseguia, adotou o nome de Grimm para proteger as pessoas de quem gostava, jurando jamais admitir o seu amor pela arrebatadora Jillian St. Clair. Contudo, mesmo de longe, ele velava por ela, e quando o seu pai o intimou com urgência, “Vem por Jillian”, ele correu para o seu lado — a competir pela sua mão em casamento.
O CORAÇÃO DE AÇO DE UM GUERREIRO
Porque fugira ele dela há tantos anos? E para quê retornar agora para a ver oferecida como prémio no jogo manipulador de seu pai? Furiosa, Jillian jurou jamais se casar. Mas Grimm era o homem que ela amava, aquele mesmo que a incitava a desposar outro. Ele procurava simular indiferença enquanto ela o tentava, mas não pôde negar os ferozes desejos que o impeliram a arrebatá-la à força do altar.
Ela era a única mulher capaz de domar a besta enraivecida dentro dele — ainda que inimigos mortais maquinassem enquanto isso para os destruir a ambos…

esteeoreinodeportugal.jpg
 Do melhor…
«O povo português, além da bondade de coração, da brandura de costumes, da alegria, da lealdade e bom humor, possui ainda duas outras qualidades: a docilidade e a paciência. Não é possível que exista gente mais tranquila, mais dócil, mais resignada.»
Ao pior...
«Se os portugueses apenas tivessem os vícios de serem impostores e vaidosos seria agradável vê-los e conviver com eles […] Mas são também extraordinariamente altivos, orgulhosos, arrogantes, velhacos, traiçoeiros e desonestos. Poucos há que tenham escrúpulo de matar um inimigo à traição.»
Este é o Reino de Portugal resulta de uma profunda investigação aos mais importantes relatos de estrangeiros que viajaram por Portugal.
Focando-se principalmente nos últimos três séculos, oferece-nos um colorido únicos desse período, retratando as várias camadas sociais que compunham a nossa sociedade, do povo aos governantes, e admirando ou criticando copiosamente os seus hábitos, tradições, mentalidades e comportamentos.
Com testemunhos de quase três dezenas de personalidades tão extraordinárias ou malévolas como William Beckford, Carl Israel Ruders, Giuseppe Baretti, Arthur William Costigan, José Pecchio, Hans Christian Andersen, Maria Rattazzi ou Miguel Unamuno, Este é o Reino de Portugal é uma oportunidade única para descobrir o que mudou no nosso país nos últimos três séculos. Ou talvez surpreender-se com o que, afinal, continua exactamente na mesma…

beijodassombras.jpg
Entre num mundo emocionante, voluptuoso, e tão ameaçador quanto belo. Onde dominam paixões ardentes de seres imortais, outrora adorados como deuses ou demónios.
 Os mais supremos seres sobrenaturais são fadas Sidhe, uma raça tão bela e poderosa que foi em tempos adorada como os deuses. Não só são luxuriosos, como incrivelmente bons amantes. Quando têm sangue real... são literalmente viciantes. Fadas de sangue puro não toleram as cidades e raramente vivem entre os humanos. Mas Meredith Gentry não é de puro-sangue. Ela tem sangue humano e por isso é mortal. Talvez também por isso, sinta que não pertence a lugar nenhum.
Meredith Gentry, princesa da corte real das Fadas, faz-se passar por humana em Los Angeles, onde trabalha como detective privada. Mas, agora, o carrasco da rainha foi enviado para a levar de volta para casa – quer ela queira quer não. Subitamente, Meredith vê-se como um mero peão encurralado nos terríveis planos da sua tia. A tarefa que a aguarda: desfrutar da companhia constante dos homens imortais mais bonitos do mundo. A recompensa: a coroa – e a oportunidade de salvar a sua vida. O castigo por fracassar: a morte.

dragoesdeumcrepusculo.jpg
Prepare-se para conhecer o clássico da fantasia Dragonlance que influenciou gerações de leitores com um novo mundo cheio de paixão e aventura.
Anos após terem optado por seguir caminhos diferentes, um grupo de companheiros reencontra-se na sua terra natal apenas para descobrir que o mundo de Krynn mudou. Rumores de guerra e sombras dominam as conversas de estalagem e monstros e criaturas míticas que só existiam em lendas voltaram a ser avistados. E nenhum companheiro se atreve a confidenciar os segredos que oculta no coração e que descobriu em viagens cheias de perigo.
Até ao dia em que um encontro ocasional com uma bela mulher, que detém em seu poder um bastão de cristal, arrasta os companheiros para o caos e muda as suas vidas para sempre. Ninguém esperava que se revelassem heróis. Muito menos eles. Mas conseguirão arranjar a força, honra e coragem para enfrentar os Deuses da Luz e Trevas no momento em que a Guerra da Lança está prestes a começar?

Ritual_de_Amor.jpg
 Para Fox, Caleb e Gage o número sete representa tragédia. Há muitos anos, um ritual inocente entre eles libertou um mal antigo na sua terra natal.
Como resultado, sete dias de loucura repetem-se a cada sete anos. Agora, já homens, sentem esse mal a regressar.
Visões de morte e destruição atormentam-nos. Mas este ano, três mulheres juntaram-se à batalha: Layla, Quinn e Cybil. Será que também elas estão ligadas a essa maldição?
Desde criança que Fox tem a capacidade de ler outras mentes, um talento que partilha com Layla. E para combater a escuridão que ameaça a cidade, Fox precisa de ganhar a confiança de Layla. Infelizmente ela não consegue aceitar esse misterioso talento e a nova intimidade com Fox apavora-a. É que Layla sabe que quando abrir a sua mente não terá qualquer defesa perante o desejo que ameaça consumi-los a ambos…

beijo.jpg
 Izzy um dia vai ser famosa. A indústria da música é que ainda não a descobriu. A irrepreensível Izzy tem um talento fascinante, dois namorados perfeitos e uma filha para lhe organizar a vida. Basicamente, uma vida de sonho.
Já a vida de Gina não podia ser mais infernal. O cretino do marido acaba de fugir com a amante grávida. E ela sente-se destroçada quando derruba acidentalmente Izzy da sua moto. Porém, não é propriamente o fim do mundo, pois não? Apenas uma perna partida.
Mas o mundo de Gina, como ela o conhece, está prestes a ficar de pernas para o ar. Izzy e a filha Kat foram catapultadas para dentro da sua vida, antes tão metódica. Pior, Izzy está de olho no melhor amigo de Gina, Sam, que é lindo de morrer. Como acabará tudo? Numa torrente de lágrimas ou num beijo inesquecível?

As Leituras do Corvo :: Passageiro do Fim do Dia (Rubens Figueiredo)

image-9458
image-9458
As Leituras do Corvo
passageirodofimdodia.jpg
Terminada mais uma semana de trabalho, Pedro apanha um autocarro para a zona onde mora a namorada, com a qual passará o fim-de-semana. Mas a viagem afigura-se longa, principalmente a partir do momento em que se fala de tumultos na área de destino. Fechado no autocarro cheio, e, contudo, sozinho com a companhia do rádio a pilhas e de um livro que lhe traz memórias do passado, Pedro percorre a longa viagem, ao mesmo tempo que, em pensamento, recorda histórias de vidas que conhece. Histórias de pobreza, de opressão e de desânimo.
História da viagem de Pedro e, ao mesmo tempo, de todas as histórias que lhe surgem no pensamento durante esta viagem, o enredo deste livro é tudo menos linear. Não só as histórias de diferentes personagens se cruzam sem que haja uma relação efectiva entre elas, como estas histórias parecem surgir ao ritmo a que surgiriam na memória do protagonista. Não há uma linha temporal definida, tal como não há uma série sequencial de acontecimentos. As histórias surgem, simplesmente, ao ritmo da memória, sejam elas vividas por Pedro ou contadas por alguém com quem ele se cruzou.
Tendo isto em conta, é fácil prever que a leitura não será leve nem fácil. É, na verdade, um livro bastante exigente em termos de atenção, de modo a que seja possível assimilar as diferentes histórias, onde começam e terminam e de que forma se cruzam na vida de Pedro e na visão geral daquilo que ele observa. E é também aqui que se encontra o mais interessante deste livro. É que, apesar da ocasional confusão resultante do cruzamento de todas estas histórias, essa conjugação é também o que permite uma visão completa das questões mais relevantes do livro. A pobreza e a falta de condições - por vezes, perpetuadas pelo próprio sistema - e a impressão de indignidade que, por vezes, se sucede às dificuldades estão muito bem representadas nas memórias de Pedro, proporcionando, por isso, muito e bom material para reflexão.
Também a escrita é bastante cativante, sem grandes elaborações, apesar do tom algo divagativo com que os acontecimentos são apresentados - mas, afinal, é das memórias do protagonista que trata, e as memórias nem sempre surgem de forma linear. E há, ainda dessas memórias, um outro aspecto interessante: as referências ao trabalho de Darwin - e ao tal livro associado às memórias pessoais - acabam por insinuar uma perspectiva curiosa para os acontecimentos narrados, criando um interessante (ainda que discreto) cruzamento entre a teoria da sobrevivência dos mais fortes (da selecção natural) e os casos narrados, que são, afinal, das tentativas de subsistência dos mais fracos.
Se nem os acontecimentos nem as memórias são lineares, também o final é ambíguo. Não há finais definitivos nem para o presente, nem para as histórias recordadas. Este é, na verdade, o final mais adequado, pois, além de deixar em aberto muitas possibilidades para o que terá acontecido depois do que é apresentado, acaba por recordar o facto de que a vida não acaba no fim da história.
Complexo e, por vezes, um pouco confuso, este é, pois, um livro bastante exigente, mas também muito compensador, principalmente pelo retrato global que traça para o problema de viver na desigualdade e na pobreza. Não é uma leitura fácil, portanto, e exige o seu tempo para assimilar todas as questões. Mas não deixa por isso de ser muito interessante.

As Leituras do Corvo :: Passageiro do Fim do Dia (Rubens Figueiredo)

image-9457
image-9457
As Leituras do Corvo
passageirodofimdodia.jpg
Terminada mais uma semana de trabalho, Pedro apanha um autocarro para a zona onde mora a namorada, com a qual passará o fim-de-semana. Mas a viagem afigura-se longa, principalmente a partir do momento em que se fala de tumultos na área de destino. Fechado no autocarro cheio, e, contudo, sozinho com a companhia do rádio a pilhas e de um livro que lhe traz memórias do passado, Pedro percorre a longa viagem, ao mesmo tempo que, em pensamento, recorda histórias de vidas que conhece. Histórias de pobreza, de opressão e de desânimo.
História da viagem de Pedro e, ao mesmo tempo, de todas as histórias que lhe surgem no pensamento durante esta viagem, o enredo deste livro é tudo menos linear. Não só as histórias de diferentes personagens se cruzam sem que haja uma relação efectiva entre elas, como estas histórias parecem surgir ao ritmo a que surgiriam na memória do protagonista. Não há uma linha temporal definida, tal como não há uma série sequencial de acontecimentos. As histórias surgem, simplesmente, ao ritmo da memória, sejam elas vividas por Pedro ou contadas por alguém com quem ele se cruzou.
Tendo isto em conta, é fácil prever que a leitura não será leve nem fácil. É, na verdade, um livro bastante exigente em termos de atenção, de modo a que seja possível assimilar as diferentes histórias, onde começam e terminam e de que forma se cruzam na vida de Pedro e na visão geral daquilo que ele observa. E é também aqui que se encontra o mais interessante deste livro. É que, apesar da ocasional confusão resultante do cruzamento de todas estas histórias, essa conjugação é também o que permite uma visão completa das questões mais relevantes do livro. A pobreza e a falta de condições - por vezes, perpetuadas pelo próprio sistema - e a impressão de indignidade que, por vezes, se sucede às dificuldades estão muito bem representadas nas memórias de Pedro, proporcionando, por isso, muito e bom material para reflexão.
Também a escrita é bastante cativante, sem grandes elaborações, apesar do tom algo divagativo com que os acontecimentos são apresentados - mas, afinal, é das memórias do protagonista que trata, e as memórias nem sempre surgem de forma linear. E há, ainda dessas memórias, um outro aspecto interessante: as referências ao trabalho de Darwin - e ao tal livro associado às memórias pessoais - acabam por insinuar uma perspectiva curiosa para os acontecimentos narrados, criando um interessante (ainda que discreto) cruzamento entre a teoria da sobrevivência dos mais fortes (da selecção natural) e os casos narrados, que são, afinal, das tentativas de subsistência dos mais fracos.
Se nem os acontecimentos nem as memórias são lineares, também o final é ambíguo. Não há finais definitivos nem para o presente, nem para as histórias recordadas. Este é, na verdade, o final mais adequado, pois, além de deixar em aberto muitas possibilidades para o que terá acontecido depois do que é apresentado, acaba por recordar o facto de que a vida não acaba no fim da história.
Complexo e, por vezes, um pouco confuso, este é, pois, um livro bastante exigente, mas também muito compensador, principalmente pelo retrato global que traça para o problema de viver na desigualdade e na pobreza. Não é uma leitura fácil, portanto, e exige o seu tempo para assimilar todas as questões. Mas não deixa por isso de ser muito interessante.

As Leituras do Corvo :: Sonhos Proibidos (Lesley Pearse)

image-9445
image-9445
As Leituras do Corvo
SonhosProibidos.jpg
Aos quinze anos, e apesar de ter sido criada num bordel, Belle é ainda muito inocente, protegida, pelos cuidados da ama, dos segredos da casa onde cresceu. Mas tudo muda na noite em que adormece no quarto de uma das raparigas e acaba por assistir à sua morte às mãos de um homem perigoso. A mãe, Annie, acha que é melhor não contar a verdade e que, se se calar, estarão seguras. Mas não é isso que acontece. Belle é raptada e vendida a uma mulher em França, que a inicia no papel de que a mãe e a ama sempre a protegeram. Frágil e ingénua, a jovem Belle começa aí um percurso de sofrimento e de dificuldades, mas encontra também o início da vontade de lutar. E, em Seven Dials, o lugar onde cresceu, há quem não desista de a procurar, por mais tempo que passe...
Um dos aspectos mais cativantes deste livro é a forma como a autora retrata o ambiente de pobreza de Seven Dials e como, partindo desse cenário, consegue criar momentos de impacto abordando questões como o tráfico de mulheres ou a indiferença (e corruptibilidade) das autoridades na época em que decorre o enredo. A viagem de Belle é, ao mesmo tempo, o caminho da superação das dificuldades e más experiências vividas e uma jornada através do mundo das "damas da noite", desde os ambientes mais pobres aos casos de aparente prosperidade. Mas o percurso é, principalmente, pessoal, do crescimento e da aprendizagem de Belle através das suas difíceis circunstâncias.
Talvez, por isso, surja uma certa estranheza ao notar que, apesar de todos os enganos e perturbações, a ingenuidade de Belle persiste ao longo de toda a história, deixando-se, por vezes, levar por manipulações fáceis de reconhecer. É este, talvez, o ponto fraco da sua caracterização, já que é difícil conceber esse tipo de confiança inocente depois de tantos traumas. Ainda assim, esta é apenas uma das suas características e esta fraqueza é compensada por outros traços da sua personalidade. Além disso, há outras personagens importantes - e interessantes - no enredo, pelo que, mesmo quando as acções de Belle são difíceis de entender, há outros acontecimentos a decorrer que fazem com que a história se mantenha envolvente.
Ficam algumas questões em aberto, principalmente no que diz respeito a Étienne Carrera e à forma talvez demasiado segura como as coisas se resolvem entre ele e Belle. Mas a história continua num outro livro e essas questões contribuem para despertar curiosidade também para essa sequela. Até porque, tendo em conta o seu papel na vida de Belle, há partes da sua história que não foram completamente exploradas e que, talvez, possam vir a encontrar resposta mais tarde.
Cativante e de leitura agradável, Sonhos Proibidos apresenta um enredo envolvente, com personagens bem construídas (apesar de alguns traços de estranheza nas acções da protagonista) e um cenário interessante para uma história com bastante emoção. Uma boa história, portanto, e uma boa leitura.

As Leituras do Corvo :: Claridade (A.M. Catarino)

image-9436
image-9436
As Leituras do Corvo
claridadeamc.jpg
De regresso à terra onde cresceu, mas da qual se afastou há alguns anos, um homem encontra na indolência e na solidão uma forma de recuperação. Mas a tranquilidade não muda e basta uma visita ao cemitério para o lançar no encalço de um mistério... e de um amor inexplicável. É aí que vê Clara pela primeira vez, desenhando o túmulo de um dos seus amigos de infância, e cedo descobre ter sentimentos fortes por essa mulher. Mas Clara tem um passado conturbado e alguns segredos sombrios. E a vida pode ser o preço a pagar para os desvendar.
De início relativamente pausado, mas sempre intrigante, este é um livro que começa por cativar pelo ambiente de tranquilidade que apresenta, bem como pelo contraste entre este ambiente e a vida do protagonista antes do acidente que o levou até ali. A fase inicial tem os seus momentos mais descritivos e alguns laivos de divagação que se prolongarão ao longo de todo o enredo - ou não fosse  a tendência para a introspecção uma das características mais evidentes do protagonista.
O que mais surpreende neste livro, ainda assim, é a forma como, desta tranquilidade aparente, a história evolui para um ritmo bastante mais intenso, partindo da entrada em cena da misteriosa Clara e seguindo através de conflitos e mistérios até culminar num final particularmente forte. Sem saber bem como, o protagonista passa da indolência para a necessidade de acção, numa mudança que abre caminho para mistérios que envolvem tanto questões sobrenaturais como simplesmente criminosas - ou até mesmo uma mistura de ambas. Os segredos - o segredo de Clara, principalmente - parecem estar no centro de tudo e as revelações surgem de forma gradual, partes do mistério surgindo aos poucos para despertar curiosidade para as explicações finais. Também isto sustenta o interesse e a intensidade do enredo.
Há muito de interessante nesta história, mas fica, ainda assim, a impressão de alguns aspectos pouco desenvolvidos, principalmente nas questões sobrenaturais. Todas as explicações essenciais são apresentadas, mas questões como a história dos gémeos e o mistério de Carlos (com a existência ou não dos elementos espirituais associados) poderiam, talvez, ter sido explorados de forma mais profunda, enfatizando mais a sua presença no passado - e, talvez, no futuro - de Clara.
Com uma evolução surpreendente desde a tranquilidade inicial até ao final intenso, passando por um crescendo de mistério e de acção à medida que novos enigmas e revelações vão surgindo, esta é, em suma, uma história de amor e de morte, com um lado sombrio particularmente intrigante e um bom desenvolvimento das personagens. Cativante e com vários momentos muito bons, uma boa leitura.

As Leituras do Corvo :: O Processo (Franz Kafka)

image-9416
image-9416
As Leituras do Corvo
oprocessokf.jpg
Tudo começa na manhã em que Josef K. é informado, pelos agentes que ocuparam o lugar onde mora, de que é acusado num processo e que, por isso, se encontra detido. Acusado de quê, não sabe, nem nunca saberá, já que ninguém parece interessado em esclarecê-lo. Aí começa o seu processo, um turbilhão de dúvidas e acções confusas num cenário onde a burocracia é interminável e tudo e todos parecem ter alguma relação com o tribunal. Labiríntico e intrincado, o processo de K. reflecte um sistema indiferente, com uma justiça que define culpados até prova em contrário. Tudo é estranho... mas parte dessa estranheza é também fascinante.
Se há algo que se reconhece desde as primeiras páginas deste livro, é que não apresenta nem uma história simples nem uma leitura fácil. Não é que a escrita em si seja particularmente elaborada, mas é-o o sistema. Todo o sistema construído em torno do processo é uma teia de complicações, com elementos improváveis e surreais a servirem de base a uma justiça difícil de compreender - quer para o acusado, quer para os que parecem pertencer ao lado da lei. O enredo é, por isso, tudo menos linear. Há momentos confusos e situações inexplicáveis. O próprio comportamento das personagens é, por vezes, contraditório, tal como o são as complexidades da justiça que representam. Quanto a K., oscila entre a indiferença e o desespero, à medida que o processo evolui, sem na verdade mudar seja o que for para lá da sua própria percepção de futuro.
Mais que a história de Josef K., este livro representa um retrato - algo exagerado, talvez, mas certeiro em muitos aspectos - de uma justiça que, com toda a sua burocracia e irredutível impassibilidade, acaba por ser inevitável por todas as piores razões. Para o demonstrar, surgem as longas exposições de algumas das personagens, expondo, numa exaustiva descrição de detalhes que reforçam o caos do sistema, toda a dimensão da sua burocracia. São, naturalmente, momentos mais cansativos, que, curiosamente, ao transmitir essa impressão a quem lê, acabam por reforçar a ideia de qual será o ªanimo de Josef K., preso nesse mesmo sistema que cansa e desespera mesmo apesar da distância.
Muitas vezes descritivo, e com várias mudanças de cenário a deixar perguntas sem resposta, este não  é, propriamente, um livro de grandes momentos. Há, ainda assim, um que se destaca, e o impacto é tão maior pela intensidade com que surge, depois da lentidão do processo. Se todo o percurso ao longo do processo é um cenário de caos com o acusado como ponto de união, a conclusão é o ponto de máximo impacto. Intenso e brilhantemente construído, o fim da história de K. é memorável, tanto pelo contraste com o arrastar da situação nos capítulos anteriores, como pela forma como conclui a luta do protagonista contra o sistema. Tudo o que foi reflexão até ali ganha impacto com aquele único momento de emoção. O resultado é um momento brilhante.
Complexo, de ritmo pausado e com um enredo que é tudo menos linear, este é, portanto, um livro com tanto de estranheza como de fascínio. Cansativo, por vezes, mas muito interessante na construção do sistema judicial que apresenta, cativa pelo ambiente enigmático e algo surreal, abrindo caminho para uma fortíssima surpresa na forma como tudo se conclui para o protagonista. Fica na memória, portanto, esta estranha história. E vale a pena ler.

As Leituras do Corvo :: O Processo (Franz Kafka)

image-9415
image-9415
As Leituras do Corvo
oprocessokf.jpg
Tudo começa na manhã em que Josef K. é informado, pelos agentes que ocuparam o lugar onde mora, de que é acusado num processo e que, por isso, se encontra detido. Acusado de quê, não sabe, nem nunca saberá, já que ninguém parece interessado em esclarecê-lo. Aí começa o seu processo, um turbilhão de dúvidas e acções confusas num cenário onde a burocracia é interminável e tudo e todos parecem ter alguma relação com o tribunal. Labiríntico e intrincado, o processo de K. reflecte um sistema indiferente, com uma justiça que define culpados até prova em contrário. Tudo é estranho... mas parte dessa estranheza é também fascinante.
Se há algo que se reconhece desde as primeiras páginas deste livro, é que não apresenta nem uma história simples nem uma leitura fácil. Não é que a escrita em si seja particularmente elaborada, mas é-o o sistema. Todo o sistema construído em torno do processo é uma teia de complicações, com elementos improváveis e surreais a servirem de base a uma justiça difícil de compreender - quer para o acusado, quer para os que parecem pertencer ao lado da lei. O enredo é, por isso, tudo menos linear. Há momentos confusos e situações inexplicáveis. O próprio comportamento das personagens é, por vezes, contraditório, tal como o são as complexidades da justiça que representam. Quanto a K., oscila entre a indiferença e o desespero, à medida que o processo evolui, sem na verdade mudar seja o que for para lá da sua própria percepção de futuro.
Mais que a história de Josef K., este livro representa um retrato - algo exagerado, talvez, mas certeiro em muitos aspectos - de uma justiça que, com toda a sua burocracia e irredutível impassibilidade, acaba por ser inevitável por todas as piores razões. Para o demonstrar, surgem as longas exposições de algumas das personagens, expondo, numa exaustiva descrição de detalhes que reforçam o caos do sistema, toda a dimensão da sua burocracia. São, naturalmente, momentos mais cansativos, que, curiosamente, ao transmitir essa impressão a quem lê, acabam por reforçar a ideia de qual será o ªanimo de Josef K., preso nesse mesmo sistema que cansa e desespera mesmo apesar da distância.
Muitas vezes descritivo, e com várias mudanças de cenário a deixar perguntas sem resposta, este não  é, propriamente, um livro de grandes momentos. Há, ainda assim, um que se destaca, e o impacto é tão maior pela intensidade com que surge, depois da lentidão do processo. Se todo o percurso ao longo do processo é um cenário de caos com o acusado como ponto de união, a conclusão é o ponto de máximo impacto. Intenso e brilhantemente construído, o fim da história de K. é memorável, tanto pelo contraste com o arrastar da situação nos capítulos anteriores, como pela forma como conclui a luta do protagonista contra o sistema. Tudo o que foi reflexão até ali ganha impacto com aquele único momento de emoção. O resultado é um momento brilhante.
Complexo, de ritmo pausado e com um enredo que é tudo menos linear, este é, portanto, um livro com tanto de estranheza como de fascínio. Cansativo, por vezes, mas muito interessante na construção do sistema judicial que apresenta, cativa pelo ambiente enigmático e algo surreal, abrindo caminho para uma fortíssima surpresa na forma como tudo se conclui para o protagonista. Fica na memória, portanto, esta estranha história. E vale a pena ler.

As Leituras do Corvo :: Goor – A Crónica de Feaglar: Nova edição do primeiro volume

image-9412
image-9412
As Leituras do Corvo
goor1n.jpg
Durante uma época ensombrada pelo despontar de novos conflitos e intrigas, a enigmática princesa Gar-Dena chega inesperadamente à corte do próspero reino Dhorian, no intuito de avisar o rei Feaglar para um terrível perigo latente que ameaça a liberdade e a própria sobrevivência de todos os Homens. Este será o ponto de partida para os acontecimentos relatados em Goor – A Crónica de Feaglar, que decorrem no período da Guerra dos Sete Reinos.Trata-se de uma fantástica aventura do rei e dos seus companheiros, que os levará aos limites das suas capacidades e aos confins do mundo conhecido, enfrentando inúmeros perigos e a herança de um nebuloso passado que foi propositadamente apagado da memória de todos os povos. O jovem e idealista rei, referido pelas antigas profecias como o Escolhido, terá de superar as suas próprias fraquezas e dúvidas, contrariar um destino sinistro e uma complexa teia de mentiras, urdida desde tempos imemoriais e em que ele próprio está envolvido.Em causa estará o próprio valor intrínseco do Homem e a sua determinação em sobreviver. Esta será uma jornada em que o futuro estará num indeciso limbo e em que tanto a vitória como a derrota podem acarretar um sacrifício demasiado doloroso para aqueles que aceitam o desafio que lhes é colocado. 

As Leituras do Corvo :: O Intruso (Carina Rosa)

image-9395
image-9395
As Leituras do Corvo
ointruso.jpg
Sara está à beira do abismo. Desde que o noivo morreu no dia do casamento que se afundou numa depressão que, com o passar do tempo, apenas se agravou. Sara vê-o em toda a parte, sente-o como uma presença invisível, encontra-o nos seus sonhos. O passado é uma sombra da qual não se consegue libertar. Mas tudo muda quando conhece Martim. Apesar das circunstâncias desastrosas em que se conhecem, basta um primeiro olhar para que ambos sintam que já se conheciam antes, talvez de outro tempo, e que há um sentimento forte à espera de nascer nas suas vidas. Mas Rodrigo permanece presente na vida de Sara e não está disposto a libertá-la, muito menos a vê-la feliz com outro homem. O romance entre ambos não pode acontecer. E ele fará o que for necessário para o impedir.
Em parte romântico e em parte sombrio, este é um livro que, não sendo particularmente elaborado, cativa principalmente pela história envolvente. As sombras na vida de Sara e os elementos sobrenaturais que se vão revelando opõem algo de obscuro à quase leveza com que o afecto vai crescendo entre os protagonistas, o que contribui para que a história se mantenha envolvente. Além disso, o facto de tanto Sara como Martim terem um segredo no passado torna as suas histórias complementares, despertando, ao mesmo tempo, algo de empatia para com eles. Importa ainda acrescentar que, apesar de muito do enredo se centrar nos protagonistas, há alguns elementos aparentemente secundários que, além de cativantes (e, no caso de Mike, enternecedores) acabam por ser muito relevantes para o enredo. 
Ainda que haja vários momentos de acção, o ritmo não é propriamente compulsivo. Principalmente no início, a descrição dos sonhos e de algumas características do cenário cria para a evolução do enredo um ritmo relativamente pausado. Para isso contribuem também alguns recuos a acontecimentos passados, que, ao serem apresentados aos poucos, permitem prolongar um pouco o mistério, mas que, não estando bem identificados e uma vez que surgem numa fase inicial da história, quando as personagens ainda não são muito familiares, tornam a leitura um pouco confusa. Esta estranheza inicial desaparece com o maior desenvolvimento da relação entre os protagonistas, levando a que a história cresça em intensidade à medida que novas revelações são apresentadas.
A nível de escrita, há algumas fragilidades a apontar, não muito graves, mas facilmente detectáveis. Há algumas gralhas ao longo do texto, mas não ao ponto de prejudicarem muito o ritmo de leitura. E há alguma confusão no sentido de algumas palavras e no uso de alguns tempos verbais, fazendo com que partes do texto pareçam um pouco mais confusas do que poderiam ser. Não são falhas que surjam com muita frequência, mas, por serem facilmente reconhecíveis, acabam por quebrar um pouco a envolvência do enredo.
De referir, por último, que, ainda que não fiquem grandes pontas soltas no enredo principal (excepção feita ao final, particularmente ambíguo, mas adequado, tendo em conta as circunstâncias do enredo), há algumas questões que ficam sem resposta, principalmente no que diz respeito a uma das presenças sobrenaturais, mas também à sensação de reconhecimento entre Sara e Martim, que nunca é completamente explicada. Não são respostas essenciais ao desenvolvimento do enredo, é certo, mas fica sempre algo de curiosidade e a sensação de que mais poderia ter sido explorado neste aspecto.
Tudo somado, a impressão que fica deste livro é a de uma história relativamente simples, mas com um bom enredo e um interessante toque de mistério. Haveria, talvez, mais a desenvolver nalguns aspectos da história e mais algumas questões que poderiam ter sido esclarecidas. Foi uma leitura agradável, ainda assim, e com um lado sombrio particularmente cativante. Gostei, portanto.
%d bloggers like this: