teste_manifesto.jpg

Onde se esclarece porque foi escolhida a galinha dos ovos de ouro como prato principal do festim.

Ser leitor de ficção científica em Portugal é aceitar com passividade as más traduções, aspublicações ocasionais, as encadernações baratas, as capas de mau gosto, as obras datadas e quase esquecidas, a ignorância dos editores relativamente ao que de moderno se está a fazer lá fora, a condição de isolamento, as livrarias que se recusam a ter o material, e o franzir desdenhoso do intelectual de café quando nos descobre a praticar o pecado da leitura por prazer.

Ser escritor de ficção científica em Portugal é aceitar com menos passividade mas pouco resultado o desprezo da maioria das editoras, o relegar para edições de bolso, o habitar das prateleiras mais escondidas das livrarias, bem longe do olhar das obras dos escritores «decentes» e dos olhares dos leitores com um mínimo de «bom-gosto», a falta de divulgação, o desconhecimento dos críticos e o afastamento cultural.

Ser simplesmente apreciador de ficção científica em Portugal é não ter sequer hipótese de formar uma opinião informada, é não ter direito ao mau-gosto porque não lhe são dadas quaisquer alternativas de escolha. Aqueles que não têm remédio, optam pelos filmes e pelas séries, e serão eternamente pobres na escolha que fizeram.

Isto tem de acabar.

Porque a ficção científica é a literatura do Século XX, criada e desenvolvida como reacção ao progresso e à incerteza da mudança.

Porque a ficção científica não tenta apenas precaver o futuro, é a única forma de arte a tentar compreender o presente.

Porque a ficção científica é mais do que mais uma forma de literatura: é uma manifestação cultural com identidade e linguagem próprias, e para muitos, é uma filosofia de vida.

Porque a ficção científica alia a razão com o mito, e logo está melhor preparada para compreender o ser humano.

Porque a ficção científica forma uma comunidade a nível mundial, e Portugal não se encontra presente.

Porque a ficção científica não aceita intelectualismos nem atitudes de intolerância cultural: o seu horizonte estende-se a todas as sociedades, a todas as raças e culturas, e nas duas direcções da seta do tempo, em direcção ao infinito.

Porque a ficção científica não existe em tomos bolorentos dentro de sótãos fechados: usa o universo inteiro como pátio de recreio.

Porque a ficção científica não se leva demasiado a sério.

A SIMETRIA surgiu para acabar de vez com a passividade.

Esta é uma Associação de amantes da ficção científica e literatura fantástica de Portugal. Perfeitamente assumidos e sem vergonha de o ser.

Estamos conscientes das ramificações para as outras artes, para não esquecer que, ao contrário de certas crenças, não existiriam hoje filmes ou jogos ou banda desenhada ou brinquedos para as crianças ou sequer uma atitude descontraída e até curiosa sobre o futuro se não existisse uma literatura adulta e consciente de si própria, que servisse de referência e identidade aos amantes da ficção científica a nível mundial.

A Associação destina-se aos que amam e aos que odeiam, aos que são indiferentes e aos que nunca ouviram falar.

Sejam, portanto, bem vindos ao nosso festim. Garantimos que o prato principal é uma especialidade.