No passado dia 8 de Junho cumpriram-se 70 anos desde a sua primeira publicação. E no próximo dia 25, n(o auditório d)a Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, entre as 14 e as 18 horas, «Mil Novecentos e Oitenta e Quatro» de George Orwell vai ser o pretexto e o tema da conferência «O que podem ensinar-nos as distopias?»

Eis os oradores e os títulos da suas respectivas comunicações: Jacinta Maria Matos, «”Mil Novecentos e Oitenta e Quatro” e a narrativa distópica na era de Trump»; Elisabete Silva, «Facetas de Orwell – Breve  incursão na vida e obra de Orwell»; Maria Rosário Lupi Bello, «1984 – Entre os factos da memória e as fake news do esquecimento»; Jorge Bastos da Silva, «Alguns motivos para ler Orwell»; Sofia Araújo, «Do bem e do prazer em Orwell»; Teresa Botelho, «Novas formas de controlo social na ficção de manipulação biogenética de Paolo Bacigalupi»; Rogério Miguel Puga, «O que são narrativas distópicas e que uso social terão a ficção e as artes plásticas especulativas?»

Esta conferência tem organização do CETAPS (Centro para Estudo do Inglês, Tradução e Anglo-Portugueses), que agrega docentes e investigadores da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.